Religiosos falam da obra e do legado de Irmã Dulce

 

 

 ‘Sua caridade leva às lágrimas’, diz irmã que postula causa da Irmã Dulce.

 
Amanhã, dia 22 de Maio, ocorre, na capital baiana, a cerimônia de beatificação de Irmã Dulce. A cerimônia está marcada para começar às 17h, mas a abertura dos portões do Parque de Exposições de Salvador será às 12h.

Dias antes da cerimônia, religiosos falaram ao G1 do exemplo deixado por Irmã Dulce e de sua trajetória, que resultou na fundação das Obras Sociais Irmã Dulce, em funcionamento até hoje.

Depois de conviver por mais de dez anos com Irmã Dulce, o monsenhor Walter Jorge Pinto Andrade, 71 anos, a descreve como um grande exemplo de dedicação. Irmã Dulce morreu em 13 de março de 1992, pouco tempo antes de completar 78 anos. Monsenhor Andrade chegou ao Bonfim em 1981 e trabalhou em parceria com Irmã Dulce até a morte da religiosa.

“A coisa que mais me chamava a atenção era a fortaleza moral que era Irmã Dulce, de fé, de caridade, mesmo sendo uma pessoa tão frágil fisicamente. Era uma mulher de uma ternura imensa, de um acolhimento sem nenhuma distinção”, conta ao G1.

Para Andrade, hoje pároco na Paróquia de Nossa Senhora da Purificação, em Santo Amaro, Irmã Dulce era diferente de qualquer outra pessoa dedicada à caridade. “Ela, na verdade, via no pobre o que muita gente não vê. Ela via o próprio Cristo. Tinha a consciência de que trabalhava n’Ele e por Ele, porque o amor verdadeiro deve ter como motor o amor de Deus”, afirma.

O grande legado de Irmã Dulce entre os religiosos baianos e de todo o Brasil é, segundo o monsenhor, a capacidade de construir uma obra que persiste apesar de sua ausência. “Ela foi capaz de criar uma consciência coletiva de que a obra não era dela, que ela era apenas um instrumento, e que os beneficiados não podiam sofrer com a descontinuidade do trabalho”, diz.

“Era uma mulher de ação e de oração. Ninguém é capaz de amar o próximo se não alimentar a sua fé. Com ela, eu aprendi que o caminho da santidade tem um único modelo, que é Jesus Cristo, mas há várias maneiras de seguir por esse caminho”, afirma o monsenhor Andrade.

Irmã Célia Cadorin não chegou a conhecer Irmã Dulce pessoalmente, mas sentiu a grandeza de seu trabalho de uma forma muito especial, ouvindo o depoimento dos “filhos” da religiosa, como são carinhosamente chamados os acolhidos pela Irmã. “A obra dela é maravilhosa. Só sei que é uma santa”, afirma a postuladora e colaboradora de causas no Brasil, da Congregação das Irmãzinhas da Imaculada Conceição, fundada pela Santa Madre Paulina.

A postuladora auxiliou na documentação para o pedido de beatificação de Irmã Dulce. “Precisávamos ver se a fama de santidade de Irmã Dulce tinha fundamento, verificar como era a sua obra e vi que ela tinha todas as possibilidades. Sua caridade nos leva às lágrimas”, diz.

Segundo conta Irmã Célia, Irmã Dulce começou sua obra em um galinheiro porque não tinha onde colocar as crianças doentes que acolhia. Andava por Salvador, chegou a arrombar casas abandonadas para recolher os pobres e debilitados, não media esforços para receber os que precisavam. “Ela fez de tudo. A história de Irmã Dulce é uma coisa linda. Ela é ícone de Jesus, porque o forte de Jesus também era acolher os doentes.”

“Ninguém ali arregaçou as mangas para fazer o que ela fez. Era a vocação dela desde pequena. Foi moldada por Deus com essa vocação de olhar os mais desamparados. E o mais bonito é que ela soube descobrir os pobres e conseguiu voluntários e doações para ajudá-la a melhorar a situação desses pobres, porque ela sozinha não conseguiria”, afirma.

“Irmã Dulce personalizou o que há de melhor na pessoa humana: o amor ao próximo, especialmente àquele mais abandonado. Podemos dizer que ela dá continuidade ao trabalho do Bom Samaritano. De vez em quando Deus envia para nós algumas pessoas que nos fazem lembrar que somos pobres necessitados uns dos outros. A beatificação de Irmã Dulce é importante pra lembrar que precisamos abrir os olhos para os que estão sofrendo”, afirma Dom José Belisário da Silva, vice-presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e Arcebispo de São Luís, Maranhão. “E de vez em quando Deus envia para nós algumas pessoas que nos fazem lembrar que somos pobres necessitados uns dos outros”,  diz Dom José Belisário da Silva.

Para Dom Geraldo Majella Agnelo, cardeal e Arcebispo emérito de Salvador, Irmã Dulce é um exemplo de que fazer o bem vale a pena. “Eu não convivi com Irmã Dulce, mas já ouvia muito falar dela. Sua beatificação é um exemplo para que as pessoas, especialmente os cristãos, saibam como ela viveu e agiu. Nós também precisamos de referências, então a vida de um santo, de uma beata, é exemplo para angariar mais pessoas que sejam capazes de fazer o bem e que vale a pena.”

“Somos cerca de 30 mil religiosos consagrados no Brasil e, para a vida religiosa, a beatificação de Irmã Dulce tem um grande significado. Será a primeira santa brasileira e a vida religiosa quer, por essência, ser profética, ser sinal de salvação para a sociedade. A beatificação é uma alegria, pois confirma que vale a pena dar a vida pelo povo, se consagrar a serviço da sociedade. O santo é aquele que está a serviço do bem comum”, diz Irmã Rosinha Martins, da Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB Nacional).

A beatificação de Irmã Dulce também repercutiu entre baianos de outras religiões, que consideram o trabalho de caridade da religiosa fundamental para a população do estado. “A beatificação de Irmã Dulce é um exemplo para todo mundo e principalmente para a Bahia. Era incrível ver a dedicação que ela tinha com os pobres e mendigos. Ela merece ser beatificada por todo trabalho que ela fez para a Bahia. Isso é para mostrar que para virar santa a pessoa não precisa morrer de fome, sofrer, nem nada disso, pois o trabalho é que enobrece e engrandece a gente, e ela trabalhou bastante em prol da religião que abraçou”, diz Mãe Stella de Oxóssi, que estudou na mesma instituição que Irmã Dulce e chegou a visitar as obras como enfermeira.

Fonte: IG

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: