O Sobrenatural e o Extraordinário na Imagem de Nossa Senhora de Gudalupe

 

 

 

 

Alguns resultados das muitas pesquisas:

 

Voltando às inúmeras constatações sobre a imagem da Virgem de Guadalupe, em suma, poderíamos resumir ainda novas descobertas científicas referentes a sobrenatualidade da imagem de Guadalupe nos seguintes nove tópicos mencionados abaixo:

1. Estudos oftalmológicos realizados nos olhos de Maria detectaram que ao acercar-lhe luz, a retina se contrai e ao retirar a luz, volta a dilatar, exatamente como ocorre em um olho vivo.

2. A temperatura da fibra de maguey com a qual está confeccionada a tilma, ou o ponche que usou Juan Diego, mantém uma temperatura constante de 36.6 graus, a mesma de um corpo humano vivo.

3. Um dos médicos que analizou o ponche colocou seu estetoscópio embaixo do cinto que Maria possui e escutou batidas que em ritmos se repete a 115 pulsações por minuto, igual a um bebê no ventre materno.

4. Não se descobriu nenhum vestígio de pintura no tecido. Na realidade, há uma distância de 0,3 mm da imagem, só se vê o tecido de maguey crú: as cores desaparecem. Estudos científicos não conseguem descobrir a origem da coloração que forma a imagem, nem a forma que a mesma foi pintada. Não se detectou vestígios de pinceladas nem outra técnica de pintura conhecida. Cientistas da NASA confirmaram que o material que dá origem às cores não pertence a nenhum dos elementos conhecidos na terra.

5. Foi passado um raio laser no sentido lateral sobre o tecido, descobrindo que a coloração da mesma não está nem na frente e nem no verso, e sim que as cores flutuam há uma distância de três décimos de milímetro sobre o tecido, sem tocá-lo.

6. A fibra de maguey que constitui o tecido da imagem, não pode durar mais que 20 ou 30 anos. Há vários séculos se pintou uma réplica da imagem em um tecido de fibra de maguey idêntica, e a mesma se desintegrou depois de varias décadas. Quase 500 anos passados do milagre, a imagem de Maria continua tão firme como no primeiro dia. A ciência não consegue explicar porque a tela não se desintegrou.

7. No ano de 1791, se derrubou acidentalmente ácido muriático no lado superior direito do tecido. Num intervalo de 30 dias, sem tratamento algum, se reconstituiu milagrosamente o tecido afetado.

8. No início do século XX, um homem escondeu uma bomba de alto poder entre um arranjo floral, e o colocou aos pés do manto. A explosão destruiu tudo ao redor, chegando a retorcer um crucifixo de ferro próximo, mas o manto, no entanto, permaneceu intacto.

9. Uma comissão de astrônomos investigou as estrelas visíveis no manto de Maria e, através de minuciosos cálculos concluíram que cada uma das estrelas estampadas refletem a exata configuração e posição que se apresentava o céu do México no dia em que aconteceu o milagre.

• Do lado direito do manto da Virgem se encontram “comprimidas” as constelações do sul:

• 4 estrelas que formam parte da constelação de Ofiuco (Ophiucus).

• Abaixo se observa Libra e na direita, a que parece uma ponta de flecha corresponde ao início de Escorpião (Scorpius).

• No meio, se assinala duas, a constelação de Lobo (Lupus) e no extremo a de Hidra (Hydra).

• Abaixo se vê a Cruz do Sul (Crux) sem dúvida alguma, na esquerda aparece o quadrado ligeiramente inclinado da constelação de Centauro (Centaurus).

• Do lado esquerdo do manto da Virgem se vê as constelações do norte:

• No ombro, um fragmento das estrelas da constelação de Boyero (Bootes), abaixo e na esquerda a constelação Osa Mayor (Ursa Maior).

Em volta e na direita, Berenice (Coma Berenices), abaixo, Lebreles (Canes Venatici), e à esquerda Thuban, que é a estrela mais brilhante da constelação de Dragón (Draco).

• Abaixo das duas estrelas, (que todavia formam parte da Ursa Maior), se percebe outro par de estrelas da constelação de Cochero (Auriga) e à oeste, abaixo, 3 estrelas de Touro (Taurus).

• Desta maneira, ficam identificadas na sua totalidade e no seu lugar, um pouco comprimidas, as 46 estrelas mais brilhantes que rodeiam o horizonte do Vale do México.

Uma comissão de astrônomos investigou as estrelas visíveis no manto de Maria e, através de minuciosos cálculos concluíram que cada uma das estrelas estampadas refletem a exata configuração e posição que se apresentava o céu do México no dia em que aconteceu o milagre.

Na foto acima um sinal luminoso, em forma de um nascituro, indicando a gravidez de Nossa Senhora, presenciado por várias pessoas e em dias diferentes.

   

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: